top of page

Dia das Supermulheres - investimentos e maternidade

Atualizado: 17 de set. de 2022

The Human Founder: Como os investidores supermulheres navegam juntos pelos investimentos e pela maternidade?


Como parte de seu trabalho diário, a Coach Executiva Gali Bloch Liran ajuda fundadores, CEOs e investidores a desenvolver as habilidades e a mentalidade certas. Seu podcast nos leva através da montanha-russa de vulnerabilidade, humanidade e as personalidades desses "top dogs" de negócios e tecnologia




Ser um fundador, para não mencionar um CEO, pode ser um lugar muito solitário, carregando muito estresse e exigindo estar constantemente no máximo desempenho. Isso muitas vezes torna difícil encontrar um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Manter relações fortes com os cofundadores e investidores também não é uma tarefa fácil, onde nem sempre a clareza e a empatia estão presentes. Como diz um dos meus empreendedores: “Não é com o desafio tecnológico que lidamos, é com o mental”.


“Ao longo dos meus +15 anos como profissional, sempre fui atraído pela interseção de negócios e psicologia através do empreendedorismo - O que faz as pessoas funcionarem? Como as pessoas pensam e agem? E o que motiva as pessoas nos negócios? O que me motiva é estar lá para os empreendedores incríveis, que estão sob constante pressão, para que possam tornar nosso mundo um lugar melhor. É para isso que estou aqui, e este é o meu podcast – The Human Founder .”


À luz do Dia Internacional da Mulher, escolhemos compartilhar essa conversa com duas mulheres inspiradoras.


Shelly e Mor são amigos íntimos desde que moraram em Nova York há muitos anos. Eles frequentemente discutiam os desafios que viam ao investir em Israel até que decidiram fazer algo a respeito. Do ponto de vista deles de trabalhar em uma grande organização na época, onde há muita disciplina e muitas práticas, o ecossistema parecia uma selva. Mor trabalhava para Amdocs e Shelly trabalhava para Goldman Sachs. Ambos adoraram; ser capaz de realizar coisas tão grandes com segurança corporativa. Mas, por outro lado, Mor sentiu que seu trabalho era muito limitado - ela queria fazer mais e crescer.


Ela começou a sonhar em construir algo do zero e trazer uma abordagem inovadora para investir. Então, em vez de tirar a licença-maternidade, ela se arriscou.

Era preciso muita disciplina para arranjar tempo para seu trabalho como mães de bebês. Foi um verdadeiro teste de seu compromisso, e eles passaram com sucesso, armados por uma nova confiança no que podem trazer para a mesa.


Shelly sempre quis fazer algo próprio. Depois de seu primeiro filho, ela sabia que não podia adiar mais, ela queria uma mudança.


Ela estava pensando em conectar investidores e fundadores e criar uma maneira profissional de investir. Sua experiência em finanças e investimentos permitiu que ela experimentasse o sistema financeiro de muitos ângulos diferentes.


Juntas, com seu conjunto de habilidades complementares, Shelly sabia que ela e Mor formariam uma ótima equipe.


Eles se conheceram em uma reunião de jovens profissionais israelenses em Nova York. Shelly ficou muito impressionada com Mor e foi até ela. Eles tornaram-se amigos. Então parceiros. Agora são família.


As superpotências que serviram de base para a parceria: confiança e comunicação aberta

Shelly compartilhou conosco sua opinião sobre os talentos de Mor - seu forte senso de si mesmo, otimismo, maneira original e lógica de pensar, habilidades analíticas, diálogo que aguça seu pensamento, sua capacidade de ensinar. Principalmente, ela sentiu que o relacionamento deles criou muito crescimento pessoal e mútuo para ambos.


Quanto às habilidades de Shelly, Mor compartilha que Shelly é muito inteligente e tem uma ética de trabalho louca que a levou a trabalhar na Goldman Sachs por 22 horas por dia. “Ela é meu superpoder”. Suas diferentes origens eram complementares, mas permitiam que eles não pisassem nos calos uns dos outros.


“Respeito totalmente o fato de Shelly poder ter sua própria opinião, e não vou compartilhar, mas temos tanto respeito mútuo, admiração, amor e valores compartilhados que nos permitem nos envolver em qualquer coisa. Podemos falar abertamente sobre as coisas; podemos decidir discordar e ainda amar um ao outro.” Seus primeiros funcionários ficaram chocados com sua química; um deles disse a Mor e Shelly que sua comunicação estava em um comprimento de onda completamente diferente, tanto que eles nem precisavam conversar um com o outro para saber o que o outro estava pensando. Outro funcionário ficou chocado ao vê-los discordar completamente sobre algo em uma reunião em que eles estavam aparentemente muito chateados e depois almoçar juntos como se nada tivesse acontecido.


Sua base de comunicação é a confiança – saber que a outra pessoa tem o seu melhor interesse no coração. Foi preciso muito treinamento para eles construírem isso.

Ao escolher como reagir em uma situação - deve-se perguntar a si mesmo:

Como você agiria de forma diferente se a transação acontecesse apenas uma vez VS muitas? Se você sabe que essa é a parceria que deseja para a vida, não é mais uma transação, é contínua. Ambos entenderam que sua parceria é necessária para alcançar o que queriam na vida. O que eles vão construir e realizar juntos, é o que eles vão compartilhar. Shelly comparou isso ao casamento - só funciona se você estiver pensando na outra pessoa.


Na negociação, Mor compartilhou, “quando temos uma mão que nos é dada - nunca estamos satisfeitos porque sentimos que podemos tirar outra carta e mudar toda a situação. Somos bons em ver novas oportunidades”



Gali, Mor e Shelly

Como lutar

Shelly sabe quando Mor está chateado - “ela precisa de um respiro, então dê espaço a ela”.

Shelly tem a mentalidade de obter uma resolução o mais rápido possível, enquanto Mor precisa de um tempo para analisar a situação e não reagir quando está muito emocional - Ela quer voltar à conversa com soluções.


Eles sabem como o outro funciona, e por isso podem ter paciência um com o outro durante o processo, mesmo quando fica feio.

Shelly compartilha que a chave para não entrar em uma briga é não ser insultado. Não deixe o ego assumir o volante; não leve para o lado pessoal. Você pode ter ângulos diferentes na mesma situação.


Eles não gritam ou gritam uns com os outros, uma regra que eles também estão implementando em casa. Eles falam com firmeza sem serem intimidantes.


Falamos sobre os 4 entendimentos para viver, de Don Luis Miguel, e como implementá-los em nossas vidas:

  1. Não fofoque

  2. Não leve as coisas para o lado pessoal

  3. Não assuma - mantenha as coisas simples, não conte histórias a si mesmo

  4. Faça o seu melhor

Flexibilidade para viver sua vida como mãe e empresária

Como gerenciar sua carreira e vida pessoal? Eles sabem que ambos são orientados para a carreira, e isso faz parte de quem eles são. Suas famílias sabem que a mamãe está trabalhando; há respeito a isso em casa. Não é um ou outro - eles fazem as coisas em paralelo, já que suas vidas pessoais e carreiras são importantes para eles. Mas tem seus desafios.


Como você gerencia as compensações mentalmente, como pai?

Shelly responde: “Eu me perdoo. Estou ótima, meus filhos me amam, estou fazendo o meu melhor e está tudo bem – eles têm amor e tudo o que precisam.” Ela garante que, como parte do cronograma de logística, passe tempo com seus filhos e esteja lá para eles quando for necessário.

Shelly compartilhou conosco insights que ela tirou do livro The ONE Thing, de Gary W. Keller e Jay Papasan: Se você quer ter sucesso na vida ou na carreira, 21h às 17h não é realmente a estrutura certa. Ajuste tudo - você precisa entender que tem muitas bolas no ar ao mesmo tempo - saúde, carreira, amigos, família. Todas as bolas, exceto sua carreira, são feitas de vidro. Carreira é borracha. Então, quando você está fazendo malabarismos com tudo, você não deve deixar cair as bolas de vidro. Dentro do domínio da carreira, você pode ter mais flexibilidade.


Equilíbrio trabalho-vida - tudo bem ter períodos em que você precisa trabalhar mais do que o habitual, e ter um contrapeso para esses períodos, mas quando estiver com um amigo/filho - desde que esteja presente, dedique-se inteiramente a a situação.


Como você pode adotar essa mentalidade no seu dia-a-dia?

Para Mor, é ter 'tempo de encontro' com cada criança toda semana - um a um tempo de qualidade. Descobrir isso com seus filhos, já que cada um tem necessidades diferentes. Shelly concorda e enfatiza o quanto as coisas mudaram para ela quando decidiu contratar uma babá para o resto das crianças, para ela levar uma criança de cada vez. O mesmo método é usado com todos os seus funcionários; mesmo que seja apenas uma breve conversa com eles – estar totalmente presente e ouvir pode fazer uma enorme diferença. Se eles não estão recebendo tanto do seu tempo, a qualidade e o valor precisam estar lá.


“Não vamos a lugar nenhum - esta é a nossa vida - um passeio incrível. Abraçamos os desafios, tentamos estar em nosso elemento, nos divertimos e criamos parcerias significativas ao mesmo tempo em que administramos um fundo de investimento de US$ 400 milhões”.















Bình luận


bottom of page